Trocador de calor

Estas imagens foram obtidas de bancos de imagens públicas e disponível livremente na internet

Os trocadores de calor tem como principal função realizar a transferência de calor de um ou mais fluidos que se encontram em temperaturas diferentes.

Possuem um Design compacto resultando assim, em uma menor quantidade de material utilizado para a superfície de troca. O seu alto rendimento está aliado a seu baixo custo de manutenção. São perfeitos para solucionar os problemas de transferência térmica para uma ampla gama de aplicações.

Em resumo, os trocadores de calor são notáveis por:

  • Alta eficiência térmica no processo de transferência de calor;
  • Baixo custo de instalação;
  • Alta performance, com baixo volume retido;
  • Fácil desmontagem para manutenção;
  • Por ser um equipamento desmontável, permite o ajuste da capacidade do trocador adicionando ou removendo placas do equipamento.

No Portal Soluções Industriais você encontrará diversos modelos e design constantemente atualizados, para atender o avanço da tecnologia de processos para cada segmento, a opção perfeita para a sua indústria.


Trata-se de um dispositivo termodinâmico que tem como principal função realizar a transferência de calor de um ou mais fluidos que encontram-se em temperaturas diferentes. Tal processo é conhecido como troca térmica de calor. O trocador de calor tem por finalidade resfriar ou aquecer fluidos, e para que isso ocorra, o fluido passa por um circuito que promove a troca de calor entre eles.

Orcamento trocador de calor

Surgimento

Por volta de 20.000 A.C. o homem já utilizava uma espécie de dispositivo que viabilizava a troca de calor, conhecido como panela de cozinhar. Arquimedes de Siracusa, por volta de 212 A.C., criou o primeiro dispositivo de calor destinado ao uso comercial e público, o canhão a vapor. Heron, em 120 A.C., criou outro dispositivo, a esfera gigante. Entretanto, somente em 1763 o trocador de calor foi lançado, com a criação da máquina a vapor de James Watt.

Fabricação

Possuem em sua composição diversos tubos, o trocador está disponível em diversos modelos, cada qual, com características distintas para determinadas aplicações e necessidades.

Geralmente o fluido de menor temperatura, conhecido como refrigerante, escoa pelos tubos, enquanto que o fluido de maior temperatura, que será refrigerado, circula na área dos tubos internos, sendo isolado pelo casco do equipamento.

Na intenção de obter maior economia, alguns equipamentos apresentam dobras em seus tubos para reduzir o espaço utilizado. O trocador não apresenta um lado específico para saída e entrada do fluido, por isso, podese encontrar o equipamento operando em dois regimes de fluxo: paralelo e contracorrente.

Nos trocadores de fluxo paralelo, ambos os fluidos seguem de forma paralela no interior do equipamento, ou seja, os fluidos entram por um mesmo lado A e saem por um mesmo lado B. Nos trocadores de contracorrente, é possível se obter os fluidos em sentido contrário em relação ao outro, ou seja, um fluido entra pelo lado "A" e sai pelo lado "B", em contrapartida o outro fluido entra pelo lado "B" e sai pelo lado "A" do mesmo equipamento.

Utilização

O equipamento pode ser encontrado em diversos ramos e processos industriais, tudo depende da sua funcionalidade dentro do processo que está empregado, como por exemplo vapores a altas pressões e temperaturas, ou ainda aplicações domésticas.

Um exemplo de uso doméstico para o trocador de calor é o ar condicionado, este equipamento opera com o ar em temperatura ambiente colocando-o em contato com um fluido refrigerante que basicamente rouba o calor do ar, este ar quando refrigerado é devolvido, tornando qualquer ambiente mais agradável.

Um outro exemplo simples, do uso do equipamento no ramo industrial, é o trocador como condensador, este equipamento atua com a entrada do fluido em forma de gás e devolve-o na forma líquida. Entretanto, quando o processo é o contrário, o fluido entra de forma líquida e é devolvido de forma gasosa, chamamos este equipamento de evaporador.

Como apresentamos aqui, a aplicação e características do trocador, vão depender de onde o mesmo será empregado.

Aplicações comuns

  • Indústrias petroquímicas
  • Indústrias automobilísticas
  • Usinas de geração de energia
  • Refinarias
  • Indústria marítima
  • Ar condicionados
  • Cervejarias
  • Entre outros

Um exemplo cotidiano do processo de troca de calor, pode ser encontrado na natureza, ainda que não se apresente como um equipamento. É o que ocorre com os elefantes, suas orelhas possuem também a função de controlar a temperatura corporal, quando os elefantes as abanam, ocorre um aumento de circulação sanguínea local, favorecendo assim a perda de calor das orelhas para o ar. Logo, é possível identificar um exemplo claro da atuação de um trocador de calor envolvendo um líquido e um gás.

Orcamento trocador de calor

Classificações do trocador de calor

O equipamento pode ser classificado conforme os processos de transferência de calor e de acordo com a sua construção que se baseia em modelos e características técnicas. Vejamos abaixo os trocadores existentes no mercado. E as especificidades, funcionalidades e vantagens de cada modelo.

Trocador de calor duplo tubo

Possui um conjunto em formato U, também conhecido como grampo, ou seja, apresenta dois tubos concêntricos, geralmente com trechos retos e conexões apropriadas em suas extremidades que conduzem os fluidos de uma seção reta para outra.

Este conjunto permite ainda a conexão de vários tubos em série, neste modelo, o fluido escoa pelo tubo interno, enquanto que o outro fluido circula pelo espaço anular, ocorrendo a troca de calor na parede do tubo interno.

Principais vantagens

  • Apresenta montagem facilitada
  • Fácil construção e ampliação de área
  • Manutenção simplificada
  • Higienização acessível

Trocador de calor casco e tubo

Possui em sua composição um casco cilíndrico e uma junção de tubos, organizados paralelamente ao eixo longitudinal do casco. As placas conhecidas como espelhos são perfuradas e cada furo representa um tubo de feixe, estes tubos atravessam os espelhos, e as chicanas possuem a função de direcionar o fluido que escoa por fora dos tubos, além de suportar os mesmos. No equipamento um fluido escoa pelo interior e outro por fora dos tubos.

Principais vantagens

  • Apresenta distribuição de tubos padronizadas
  • Flexibilidade de alterar seu diâmetro
  • Possui espaçamento padronizado entre as chicanas
  • Alto índice de troca de calor ao lado do casco

As empresas experientes em soluções de transferência de calor. Confira abaixo, os dois modelos em que a empresa se especializou.

Trocador de calor de placas

Trata-se de um suporte com placas independentes de metal que são sustentadas por barras, presas através da compressão entre uma extremidade móvel e outra fixa. Nas placas adjacentes se formam os canais por onde os fluidos escoam. É interessante ressaltar que o trocador de calor do tipo placa foi introduzido a partir de 1930, por fornecer maior facilidade de higienização no ramo alimentício.

O permutador de calor gaxetado possui uma série de finas placas corrugadas com gaxetas. As placas são comprimidas possibilitando canais de passagem paralelos. Os dois fluidos fluem por canais alternados, que realizam a transferência térmica.

Os canais são especialmente projetados para indução máxima de turbulência em ambos os fluxos, desta forma garantindo máxima eficiência na transferência de calor.

O fluxo é contracorrente, ou seja, um fluido entra no permutador pela conexão superior, enquanto que o outro entra pela conexão inferior, este processo certifica melhores resultados nos sistemas de aquecimento ou resfriamento.

Principais vantagens

  • Facilidade de acesso a superfície de troca
  • Possibilidade de alteração da área de troca térmica
  • Ocupa pouco espaço
  • Substituição de placas facilitada
  • Baixo custo operacional
  • Respostas imediatas
  • Redução de incrustação e de paradas
  • Possibilidade de operar com mais de dois fluidos
  • Alta eficiência térmica por efetividade na transferência de calor
  • Desmontagem Facilitada para manutenção
  • Alta performance, com baixo volume retido

Saiba mais sobre o funcionamento de uma trocador de placas

Máquina Pasteurizadora

O trocador de calor possui diversas aplicações na indústria de bebidas. Em compressores de alta pressão, sua principal função é eliminar a umidade do gás carbônico utilizado para gaseificar as bebidas. Neste caso, o equipamento geralmente é trocador em inox, justamente por ser mais resistente aos ataques químicos, mecânicos e a corrosão, além de impedir a proliferação de bactérias, o que é crucial nas indústrias alimentícias e de bebidas.

É interessante destacar como surgiu o processo de pasteurização, o nome tem origem do seu descobridor, Louis Pasteur, que percebeu que o aquecimento poderia inativar a maioria dos microrganismos que são responsáveis pela deterioração dos alimentos. No processo, o leite por exemplo, é aquecido a uma temperatura específica, na qual é suficiente para reduzir enzimas e bactérias indesejáveis.

No processo de pasteurização do leite, o mesmo deve ser submetido logo no início a uma temperatura de 80° para eliminar as bactérias que contribuem com a sua deterioração e qualidade, logo em seguida o leite deve ser resfriado para não perder suas características nutricionais e de palatabilidade.

O Pasteurizador de cerveja varia a sua temperatura conforme o processo da fábrica, a bebida pode ficar exposta por mais ou menos tempo em uma determinada temperatura. Após a cerveja ser aquecida e permanecer estável é possível enfim estabelecer um prazo de validade, este que se estipula com base na data de produção até uma data pré-determinada. A data pré-determinada final é o período no qual a bebida tem contato com todas as suas características sensoriais.

Vantagens da Máquina Pasteurizadora

  • Contribui para a maior qualidade da bebida
  • Evita a transmissão de doenças
  • Elimina bactérias indesejáveis
  • Prolonga a vida útil da bebida e seus derivados
  • Reduz a carga bacteriana da bebida

Os trocadores também são conhecidos como permutadores de calor. De forma geral os permutadores são aplicados em operações que necessitam de resfriamento e aquecimento, ou ainda de recuperação de calor.

O equipamento é empregado em processos farmacêuticos, como esterilização de meios de cultura, além de ser comumente aplicado na indústria alimentícia, na produção de laticínios como sucos e cervejas, nestes casos o equipamento denomina-se como pasteurizador de placas para bebidas ou aquecedor.

O Pasteurizador de placas aplicado na produção do leite é dividido em três seções de troca térmica, sendo uma para aquecer o leite cru até a sua pasteurização, outra para o resfriamento do mesmo até a temperatura ideal de embalagem e por fim uma última seção para a recuperação de calor, conhecida como regeneração, nesta etapa o interessante é que o leite cru é pré-aquecido usando do leite quente pasteurizado.

Principais benefícios que o permutador de calor traz para os processos

Higienização–O trocador apresenta facilidade de limpeza, é possível averiguar as partes que ficam em contato com os fluidos. Esta característica é muito importante no processo de produtos alimentícios, pois concede maior segurança e qualidade ao produto final.

Economia – O permutador ocupa pouco espaço para instalação, um mesmo pedestal pode ainda acomodar mais de uma seção de troca térmica.

Controle – O trocador apresenta gaxetas com respiro que contribuem para o impedimento de vazamentos e mistura de fluidos em casos de falhas, além de facilitar a identificação e localização de algum vazamento.

Desempenho – O permutador apresenta alta eficiência térmica, redução de incrustações em função da turbulência, e ainda possui flexibilidade de adicionar ou remover placas.

Onde encontrar trocador de calor com qualidade?

Para que o trocador possa oferecer todas as suas vantagens e contribuir com uma transferência de calor eficaz nos processos industriais, é necessário contar com uma empresa que forneça o mesmo com qualidade garantida. As empresas buscam oferecer soluções compactas e modernas com a maior eficiência térmica.

A empresa conta com uma equipe qualificada, fornecendo uma gama de trocadores de calor para as mais diversas aplicações que incluem desde simples tarefas a baixas pressões e temperaturas, até operações com fluidos mais agressivos que operam com a pressão, temperaturas altas e variáveis.

As empresas oferecem as peças para o permutador de calor de todas as marcas do mercado, como a Alfa Laval, APV,Gea, Sondex, Vicarb, Hisaka, Apema, Pasilac, entre outras marcas.

A empresa também conta com o maior estoque de placas do segmento, além de fornecer serviços como a manutenção do trocador e assistência técnica. Estes serviços são realizados por uma equipe de engenheiros experientes.

Segmentos em que as empresas atuam com excelência

Alimentação, Lácteos e Bebidas;

  • Agricultura
  • Climatização e Energia
  • Metais e Sais minerais
  • Indústria Marítima e Diesel
  • Máquinas e Metalurgia
  • Petróleo e Gás
  • Químicos
  • Celulose e Papel
  • Refinaria
  • Petróleo
  • Biotecnologia e Tratamento de Água

Veja imagens técnicas de trocador de calor

Estas imagens foram obtidas de bancos de imagens públicas e disponível livremente na internet

Cuidados com a Manutenção do Trocador de Calor

A manutenção deve ser realizada pelo menos uma vez por ano, para melhor desempenho do trocador. Veja abaixo algumas recomendações da Empresa:

  • Conferir as temperaturas e vazões com as da folha de dados;
  • Analisar se há sinais de vazamento;
  • Retocar a pintura do pedestal quando a mesma estiver danificada;
  • Analisar se há presença de oxidação;
  • Realizar a limpeza periodicamente;
  • Cubra as partes roscadas com graxa lubrificante.

Limpeza e higienização

Como sabemos, o trocador de calor também denominado trocador de energia térmica ou ainda permutador de calor, é um equipamento com a função de transferir de forma direta ou indireta o calor de um local para outro no sistema de resfriamento ou aquecimento industrial.

Devido a sua funcionalidade, o trocador fica exposto a partículas suspensas no ar e fluidos que acabam se impregnando no mesmo.

Para o bom funcionamento do equipamento, recomenda-se a limpeza química que tem por objetivo remover os resíduos que permanecem no interior do equipamento e que podem prejudicar seu bom desempenho. A limpeza por meio de soluções químicas, projetadas especificamente para este fim, visa não comprometer a funcionalidade do permutador, evitando possíveis corrosões.

Como funciona a limpeza de trocador de calor

A limpeza dos permutadores de calor é realizada com as soluções químicas que visam remover as incrustações, estas que se acumulam no interior do maquinário após um determinado período de uso. A limpeza química de equipamento deve ser realizada por uma equipe de profissionais qualificados.

A higienização pode ser feita com a diluição química, onde se dilui o produto com água em um tanque através de uma bomba de circulação, é necessário isolar, drenar e circular o trocador do circuito. O tempo de reação do produto para uma higienização completa ou ainda parcial, está atrelado a qualidade da água em sua dureza e minerais, pois a mesma pode ser proveniente de um rio ou poço artesiano.

Outros fatores relevantes no processo de limpeza, é a concentração da solução e sua temperatura que podem interferir no bom desempenho do processo de limpeza química de permutador de calor. No procedimento, as incrustações são retiradas do equipamento através dos movimentos realizados pela bomba de circulação. É importante lembrar que o movimento deve ocorrer em sentido oposto ao comumente operável pelo equipamento comutador de calor.

Processos em que a limpeza de trocador de calor é indicada

A limpeza é recomendada para diversas aplicações no setor industrial, que usam do permutador de calor do tipo a água ou a ar, como processos realizados pelas indústrias alimentícias, químicas e petroquímicas.

Tipos de limpeza para permutadores realizados no mercado

  • Limpeza por mecânica rotativa nos tubos;
  • Limpeza cm água em alta pressão;
  • Limpeza em trocadores de calor a placas;
  • Limpeza a seco com ar em alta pressão;
  • Limpeza em pasteurizador de bebidas;
  • Limpeza por hidrojateamento em trocadores;
  • Limpeza química em permutador.

Vantagens

  • Elimina paradas de manutenção;
  • Redução de consumo de energia;
  • Aumento de vida útil;
  • Preservação da qualidade;
  • Limpeza preventiva;
  • Evita que corpos estranhos se alojem;
  • Evita deterioração e contaminação;
  • Reduz as incrustações;
  • Aumenta o desempenho;
  • Estabilidade da eficiência da troca térmica;
  • Evita corrosão nas placas e contaminação dos produtos;
  • Maior economia.

As empresas contam com uma equipe experiente em trocadores de calor, realizando uma inspeção a fim de detectar eventuais falhas, conta também com produtos químicos apropriados para a limpeza química, além de possuir uma linha completa de peças de todos os fabricantes, para atender as mais variadas necessidades de seus clientes.

Como funciona a manutenção do trocador de calor

O reparo em permutadores, deve ser realizado por empresas experientes no segmento de refrigeração e aquecimento, pois estas contam com uma equipe qualificada de técnicos especialmente treinados e capacitados para qualquer situação.

Além disso, a empresa deve possuir uma estrutura adequada a fim de possibilitar condições corretas para o bom desempenho do trabalho da sua equipe profissional, certificando assim os melhores resultados, para que seus colaboradores possam identificar necessidades e solucioná-las de maneira ágil.

A manutenção pode ser executada de duas formas, a primeira de modo corretiva, esta é necessária quando o permutador apresenta algum tipo de problema e precisa ser consertado. Nesta situação, o técnico qualificado se dirige até o local e realiza os ajustes necessários para que o trocador de calor volte a funcionar de forma adequada.

A segunda é preventiva, que se mostra muito vantajosa, esta é caracterizada como uma inspeção regular do equipamento, o técnico qualificado busca identificar eventuais falhas que ainda não ocorreram, mas que podem acontecer e causar danos ao equipamento, o objetivo desta manutenção é o técnico identificar o problema antes que o mesmo se agrave, impedindo que o permutador tenha sua produção pausada e atrapalhe o bom rendimento do processo, além de reduzir gastos com o conserto.

Principais Vantagens da manutenção do trocador de calor

  • Bom funcionamento dos circuitos;
  • Aumento de eficiência da troca de calor;
  • Maior segurança e qualidade;
  • Impedimento de contaminação;
  • Prevenção de eventuais falhas;
  • Impede pausas do equipamento;
  • Melhora o processo produtivo e apresenta inspeção regular.

Importância da manutenção

A manutenção periódica é extremamente importante para o bom funcionamento das placas dos Trocadores de Calor. O técnico identifica a necessidade do equipamento e escolhe os produtos específicos para cada caso, seja ele na limpeza ou remoção de cálcio, carbonatos, sílica, graxas e demais substâncias que permanecem nas superfícies das placas e do trocador impedindo a eficácia da troca térmica.

Todo equipamento industrial necessita de cuidados especiais e, claro, manutenções e limpezas periódicas que visam seu bom funcionamento. A manutenção das placas de trocadores de calor é de suma importância para o processo produtivo do equipamento, garantindo a qualidade final dos produtos.

Procedimentos da manutenção

Confira abaixo, os procedimentos principais do processo de reparo de um permutador:

  • Inspeção com LP para detectar trincas e microtrincas;
  • Comercialização de diversas peças;
  • Montagem e comercialização de placas de Trocadores de Calor;
  • Limpeza química das placas com produtos apropriados;
  • Remoção das juntas usadas;
  • Colagem das juntas (gaxetas) novas;
  • Reparo de canaletas e garfos de sustentação,

Juntas para Trocador de Calor

As juntas são responsáveis pela criação e vedação entre os meios de troca e a atmosfera que equipam as placas. Sua função é manter a vedação justa entre os componentes de um conjunto mecânico, garantindo a sua compressibilidade em diversos processos, é possível ainda substituir as juntas metálicas em alguns casos, sem comprometer o desempenho desejado.

As empresas oferecem peças e borrachas com qualidade, pois sabe do impacto das peças sobre o permutador. A borracha, por exemplo, deve apresentar eficiência, pois seu uso recai diretamente nas condições e características do equipamento, como o fluido a ser vedado, a temperatura e pressão que serão submetidas a esta junta.

Cuidados e sugestões de uso

As empresas disponibilizam um Manual completo de Operação e Manutenção do Permutador de Calor, a fim de instruir melhor seus clientes sobre os cuidados com o equipamento. Recomenda-se seguir as regras de segurança locais para evitar lesões e danos, além, é claro de tomar as medidas de proteção necessárias, de acordo com a natureza de seu processo ou ainda as circunstâncias relacionadas à fábrica.

Os trocadores de calor a placas das empresas são especialmente desenvolvidos e construídos para operarem em diversas condições como pressões, temperaturas, vazões e tipo de fluidos fornecidos pelo cliente.

São necessários alguns cuidados, como preocupar-se com os picos repentinos de temperatura e pressões acima do especificado, que podem ocorrer durante a partida ou parada do sistema, estes apontamentos podem acabar por causar danos sérios ao equipamento, e por este motivo devem ser evitados.

Danos pessoais que podem ser ocasionados em casos de descuidos

  • Queimadura proveniente de tocar o trocador e outras partes da instalação;
  • Contato direto com produtos químicos;
  • Liberação sem controle dos meios pressurizados;
  • Contato com bordas cortantes durante a instalação;
  • Risco de queimaduras e lesões.

Danos ao permutador que podem ser ocasionados por

  • Forças externas;
  • Transporte inapropriado;
  • Choque térmico e mecânico;
  • Congelamento;
  • Erosão e Corrosão;
  • Ação Química;
  • Golpe de Aríete Hidráulico;
  • Elevação incorreta.

Alerta para o correto transporte do Permutador de Calor

Quando necessário elevar o permutador, deve se aplicar o uso de cintas para a correta e segura elevação de carga. Normalmente ao receber o equipamento, o trocador vem protegido dentro de um pallet, onde o mesmo fica apoiado ao lado da placa fixa, permitindo a sua manobra para deslocamento. Ao descarregá-lo, é necessário remover suas cintas de amarração, baixá-lo lentamente em posição horizontal sobre os seus pés, desta forma garante-se a integridade do equipamento.

Situações que podem impactar no desempenho do produto

  • A ausência de limpeza que pode acumular incrustações;
  • Falha de bombas ou do controle;
  • Entupimento das placas;
  • Fluidos diferentes dos especificados no projeto;
  • Temperatura da água do resfriamento estar acima do que a do projeto;
  • Temperatura do lado quente acima do que a do projeto;
  • Surgimento de bolhas de ar nas placas ou tubulações;
  • Unidade operando com fluxo concorrente, ao invés de contracorrente;
  • Pacote de placas instalado de forma irregular;
  • Fluxo de vapor insuficiente;
  • Purgador de vapor quebrado ou afogado;
  • Chiller, torre de resfriamento ou caldeira subdimensionados.

As falhas nas juntas, também podem ser ocasionadas por: exposição excessiva ao ozônio, temperatura de operação acima do ideal, alta exposição a picos de pressão, danos físicos, instalação e manutenção incorreta, placa desalinhada e ataque químico.

Como agir em caso de parada de operação do Trocador por um curto período

  • Caso o permutador de calor a placas ficar fora de operação, recomenda-se os seguintes procedimentos de forma lenta e precisa;
  • Fechamento da válvula de controle no circuito quente, mantendo o circuito frio;
  • Desligamento da bomba do circuito quente;
  • Fechamento de todas as válvulas;
  • Desligamento da bomba de circuito frio;
  • Fechamento da válvula de controle do circuito frio.

Como agir em caso de parada de operação do Trocador por um longo período

  • Já, se o permutador de calor a placas ficar fora de operação por um longo período, recomenda-se os seguintes procedimentos;
  • Aguardar o resfriamento da unidade;
  • Drenar a unidade em ambos os lado;
  • Lubrifique e afrouxe os tirantes de aperto;
  • Confira se o pacote de placas está relaxado;
  • Não remova os tirantes de aperto;
  • Coloque uma nota de advertência no trocador;
  • Indicando o fechamento de forma correta do aperto antes que o trocador volte a operar;
  • Não exponha o equipamento aos raios solares;
  • Cubra o com um plástico preto.

Gostou do conteúdo e deseja obter mais informações?! Entre em contato com as empresas e tenha acesso ao manual exclusivo sobre Trocador de Calor, e todos os cuidados e recomendações. As empresas possuem um catálogo de produtos e serviços, completo para atender as necessidades de seus clientes e se coloca à disposição para esclarecimentos.

Acesse o botão abaixo e garanta agora mesmo seu orçamento!


produtos e serviços relacionados

  • Trocador de calor a placas brasado

    Trocador de calor a placas brasado

    Projetado para geração de água quente proveniente no uso industrial e comercial, o trocador de calor de placa e brasado utiliza vapor ou água quente disponível no sistema e apresen...

  • Trocador de calor a placas gaxetado

    Trocador de calor a placas gaxetado

    Qual a função do trocador de calor a placas gaxetado? Com a função de espalhar entre as placas, o fluido inserido no trocador de calor a placas gaxetado faci...

  • Trocador de calor a placas preço

    Trocador de calor a placas preço

    Quando o cliente busca qualidade e custo benefício, a compra de um trocador de calor a placas preço baixo é ideal! Se espalhando entre as placas, o fluido inserido no trocador de c...

Regiões onde a Trocador de Calor atende Trocador de calor:

  • Selecione a região do Brasil

Regiões onde a Trocador de Calor atende Trocador de calor:

  • Aclimação
  • Bela Vista
  • Bom Retiro
  • Brás
  • Cambuci
  • Centro
  • Consolação
  • Higienópolis
  • Glicério
  • Liberdade
  • Luz
  • Pari
  • República
  • Santa Cecília
  • Santa Efigênia
  • Vila Buarque
  • Brasilândia
  • Cachoeirinha
  • Casa Verde
  • Imirim
  • Jaçanã
  • Jardim São Paulo
  • Lauzane Paulista
  • Mandaqui
  • Santana
  • Tremembé
  • Tucuruvi
  • Vila Guilherme
  • Vila Gustavo
  • Vila Maria
  • Vila Medeiros
  • Água Branca
  • Bairro do Limão
  • Barra Funda
  • Alto da Lapa
  • Alto de Pinheiros
  • Butantã
  • Freguesia do Ó
  • Jaguaré
  • Jaraguá
  • Jardim Bonfiglioli
  • Lapa
  • Pacaembú
  • Perdizes
  • Perús
  • Pinheiros
  • Pirituba
  • Raposo Tavares
  • Rio Pequeno
  • São Domingos
  • Sumaré
  • Vila Leopoldina
  • Vila Sonia
  • Aeroporto
  • Água Funda
  • Brooklin
  • Campo Belo
  • Campo Grande
  • Campo Limpo
  • Capão Redondo
  • Cidade Ademar
  • Cidade Dutra
  • Cidade Jardim
  • Grajaú
  • Ibirapuera
  • Interlagos
  • Ipiranga
  • Itaim Bibi
  • Jabaquara
  • Jardim Ângela
  • Jardim América
  • Jardim Europa
  • Jardim Paulista
  • Jardim Paulistano
  • Jardim São Luiz
  • Jardins
  • Jockey Club
  • M'Boi Mirim
  • Moema
  • Morumbi
  • Parelheiros
  • Pedreira
  • Sacomã
  • Santo Amaro
  • Saúde
  • Socorro
  • Vila Andrade
  • Vila Mariana
  • Água Rasa
  • Anália Franco
  • Aricanduva
  • Artur Alvim
  • Belém
  • Cidade Patriarca
  • Cidade Tiradentes
  • Engenheiro Goulart
  • Ermelino Matarazzo
  • Guianazes
  • Itaim Paulista
  • Itaquera
  • Jardim Iguatemi
  • José Bonifácio
  • Moóca
  • Parque do Carmo
  • Parque São Lucas
  • Parque São Rafael
  • Penha
  • Ponte Rasa
  • São Mateus
  • São Miguel Paulista
  • Sapopemba
  • Tatuapé
  • Vila Carrão
  • Vila Curuçá
  • Vila Esperança
  • Vila Formosa
  • Vila Matilde
  • Vila Prudente
  • São Caetano do sul
  • São Bernardo do Campo
  • Santo André
  • Diadema
  • Guarulhos
  • Suzano
  • Ribeirão Pires
  • Mauá
  • Embu
  • Embu Guaçú
  • Embu das Artes
  • Itapecerica da Serra
  • Osasco
  • Barueri
  • Jandira
  • Cotia
  • Itapevi
  • Santana de Parnaíba
  • Caierias
  • Franco da Rocha
  • Taboão da Serra
  • Cajamar
  • Arujá
  • Alphaville
  • Mairiporã
  • ABC
  • ABCD
  • Bertioga
  • Cananéia
  • Caraguatatuba
  • Cubatão
  • Guarujá
  • Ilha Comprida
  • Iguape
  • Ilhabela
  • Itanhaém
  • Mongaguá
  • Riviera de São Lourenço
  • Santos
  • São Vicente
  • Praia Grande
  • Ubatuba
  • São Sebastião
  • Peruíbe